Com ouro no futebol, Brasil já garante melhor campanha da história nas Olimpíadas

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) — A comemoração do atacante Malcom pelo gol que deu o bicampeonato olímpico no futebol ao Brasil também foi pela medalha que garantiu a melhor campanha da história do país.

Com o triunfo da seleção, o Time Brasil chegou a 7 ouros, 4 pratas e 8 bronzes nas Olimpíadas de Tóquio-2020. A equipe ainda disputa duas finais neste domingo (8).

Mas mesmo que perca ambos os confrontos, já terá garantido mais 2 pratas e superado a campanha dos Jogos do Rio-2016, quando conquistou 7 ouros, 6 pratas e 6 bronzes.

A oportunidade de faturar mais duas medalhas virá com as mulheres, que foram destaque da campanha brasileira no Japão. O Brasil enfrenta os Estados Unidos pela final do vôlei feminino. O jogo será à 1h30 (de Brasília). A equipe tenta retornar ao lugar mais alto do pódio, após ser eliminada nas quartas de final no Rio-2016. O Brasil vinha de um bicampeonato olímpico (Pequim-2008 e Londres-2012).

Já a pugilista Bia Ferreira enfrenta a irlandesa Kellie Anne Harrington às 2h (horário de Brasília) na final da categoria até 60 kg. Campeã do Mundial da Rússia, em 2019, a brasileira é considerada favorita no combate. No boxe, o Brasil já conquistou, em Tóquio-2020, um ouro (Hebert Conceição) e um bronze (Abner Teixeira).

A diversidade deu o tom da campanha brasileira. As 7 medalhas de ouro do Brasil foram conquistadas em modalidades diferentes: boxe, canoagem (Isaquias Queiroz, no C1 1.000 m), futebol masculino, ginástica artística (Rebeca Andrade, no salto), maratona aquática (Ana Marcela Cunha), surfe (Italo Ferreira) e vela (Martine Grael e Kahena Kunze na classe 49er FX).

Normalmente, os países mantêm bom desempenho na primeira Olimpíada após serem sede. Mas não é comum ganharem mais medalhas. Um dos trunfos para a boa campanha foi a introdução das novas modalidades olímpicas em Tóquio-2020, que fez o Japão distribuir 11% mais medalhas do que no Rio-2016.

Caratê, escalada, skate e surfe estrearam nos Jogos Olímpicos. Já beisebol e softbol voltaram ao programa após ausências em Londres-2012 e Rio-2016.

As novas modalidades renderam aos brasileiros 1 ouro no surfe e 3 pratas no skate (Kelvin Hoefler e Rayssa Leal no street, e Pedro Barros no park). Foram decisivas para que o desempennho em Tóquio superasse o do Rio-2016.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp