IMPÉRIO IMOBILIÁRIO E RELAÇÃO COM A PARAÍBA: Mulher mais rica da África está vendo sua fortuna acabar – ENTENDA

Um ano após as autoridades angolanas reprimirem seu império de negócios multibilionário, a mulher mais rica da África, Isabel dos Santos, vê tudo desmoronar. Do exílio autoimposto em Dubai, Isabel tem travado uma batalha judicial contra o governo de Angola, à medida que ordens judiciais afetam suas empresas.

Em Luanda, as prateleiras dos supermercados Candando estão mais da metade vazias. Uma fábrica de cerveja ao sul da capital está operando com 30% de sua capacidade de produção. As operações da maior fabricante de cimento do país também desaceleraram.

Todos os negócios são controlados por Isabel. Ela é acusada pelos promotores angolanos de causar mais de US $ 5 bilhões em prejuízos à economia durante os 38 anos em que seu pai, José Eduardo dos Santos, governou o país africano.

Dos Santos deixou o cargo em 2017, dando lugar ao antigo aliado João Lourenço. Em poucos meses, Lourenço voltou contra a família e demitiu Isabel do cargo de presidente da petroleira estatal Sonangol. Dois anos depois, as autoridades congelaram seus bens.

“A quantidade de destruição de valor que está acontecendo agora é da ordem de cento e milhões de dólares”, disse Isabel, de 48 anos, em uma entrevista concedida em Dubai, onde ela vive agora. “Estas empresas são fortemente impactadas por estes congelamentos, bem como pela péssima economia angolana.”

Antes do pedido de congelamento, os bens de Isabel valiam cerca de US $ 2,4 bilhões, o que a tornava a mulher mais rica da África, de acordo com dados compilados pela Bloomberg.

Ela possuía um quarto da Unitel, a maior empresa de telefonia móvel de Angola, controlada pela Portugal Telecom (PT), que se juntou à carioca Oi. Isabel tentou atrapalhar a união das duas empresas.

Ela também fez investimentos em Portugal. No país ibérico, Isabel tem nenhuma participação credor local EuroBic, uma participação indireta de 26% na empresa de cabo e telecomunicações “Nos” e uma participação indireta de 6% na Galp Energia, avaliada em cerca de 486 milhões de euros. Esses ativos também foram congelados.

O governo de Angola aponta Isabel como suspeita em uma investigação sobre uma alegada gestão durante sua passagem de 18 meses na Sonangol e a acusa de transações ilícitas com empresas estatais.

O relatório Luanda Leaks, publicado pelo Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos, apresenta que diz ser evidências de que Isabel alegadamente fez fortuna através de acordos questionáveis ​​com o estado angolano.

Isabel nega qualquer irregularidade e disse que uma equipe de pesquisadores contratada por ela considerada que os documentos eram falsos.

“Por ser filha de um presidente, estou sempre encontrar a um grande escrutínio. Eu sempre disse que, se meu pai quisesse privilegiar seus filhos e torná-los tremendamente ricos, a opção mais fácil seria conceder direitos ou concessões de petróleo ou contratos comerciais no setor de petróleo. Eu não construí nada em óleo”, relata.

O governo de Angola estima que mais de US $ 24 bilhões foram saqueados durante o governo de José Eduardo dos Santos, período em que o Fundo Monetário Internacional (FMI) afirma que o estado não registrou suas receitas do petróleo.

O meio-irmão de Isabel, José Filomeno dos Santos, foi condenado a cinco anos de prisão em agosto passado depois de ser considerado culpado de peculato e fraude. Antes de morrer em outubro, o marido de Isabel, Sindika Dokolo, estava sob investigação em Angola por suas práticas comerciais. Isabel ainda não foi julgada.

Em resposta por escrito, o governo de Angola disse que vai usar os meios judiciais, diplomáticos e outros a seu dispor para garantir o efetivo repatriamento dos bens retirados do país.

Em um relatório de janeiro, o Fundo Monetário Internacional (FMI), que tem um programa de US $ 4,5 bilhões com Angola, que termina este ano, elogiou os esforços do governo para combater a corrupção e recuperar ativos.

Isabel afirma que ela precisa obter permissão judicial para cada transferência de dinheiro para pagar dívidas de suas empresas e algumas de suas contas congeladas não podem ser acessadas.

Como resultado, uma empresa controlada por Isabel que detém uma participação indireta na NOS recentemente perdeu o pagamento de uma dívida, potencialmente permitindo que um banco estatal proceda a execução de suas ações, afirma.

Isabel disse que não tem planos imediatos de vender as suas participações na Galp ou na Nos. “Esses investimentos foram feitos há quase 10 anos. Os mercados agora estão um pouco voláteis. Para desinvestir os ativos ativos terá que ser nenhum momento certo. Não sinto que o mercado está maduro agora”, completou.

Fonte: O Globo

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp