Opinião: a direitona busca mesmo é um candidato para chamar de “centro”

Lula e Bolsonaro não são, necessariamente, opostos. Pelo menos opostos na mesma proporção, não! Bolsonaro é de extrema-direita, reacionário. Lula é de centro-esquerda e progressista.

Bolsonaro rechaça o diálogo; é radicalmente a favor do totalitarismo (mas só serve com ele no comando!); combate o regime e as instituições democráticas; é declaradamente a favor da tortura; tem como parâmetro e ídolo o tal Brilhante Ustra, o terror de todos aqueles que, em nome das liberdades, gemeram de dor nos porões da ditadura pendurados em pau-de-arara; já se manifestou a favor de uma guerra civil para matar pelo menos uns 30 mil.

Lula não é exatamente o oposto; não representa a extrema-esquerda; não tem este perfil; não prega ditadura do proletariado; não deseja uma revolução pelo caminho da luta armada, não defende nenhum outro ato violento destinado a abolir o sistema capitalista; não prega a instalação de um regime comunista; é plenamente a favor da democracia.

Conversando

Luís Inácio Lula da Silva é um democrata; um líder político talhado para o diálogo; forjado nas negociações entre patrões e empregados nos velhos tempos das históricas greves do ABC Paulista.
Lula conversa com todos; nesta nova empreitada visando livrar o Brasil do totalitarismo, do fascismo, já está conversando até com o famoso Centrão, no Congresso Nacional; está aberto ao entendimento com todos aqueles que desejam que o Brasil retorne aos trilhos, à normalidade.

Não é achismo; os fatos estão aí: Lula á foi presidente do Brasil por duas vezes. Nunca antes na história deste País se viu, viveu e respirou tanta democracia quanto naquele tempo. Democracia em todos os níveis, inclusive, na distribuição de renda, de oportunidades para todos.

Durante os oito anos em que governou o Brasil, Lula nunca afrontou ou ameaçou o regime capitalista; pelo contrário, o governo encheu os cofres capitalistas de dinheiro. Mas cometeu um “erro” crasso: depois de saciar a ganância das elites, inventou de oferecer “migalhas” às classes menos favorecidas… Coisa mínima, mas que se tornou relevante em meio o estado de miséria de parte do nosso povo, de forma que mais de 30 milhões de brasileiros miseráveis foi guindada para cima da linha de pobreza, o maior legado do projeto Lula-PT.

Direita disfarçada

A famosa direitona brasileira forjou um discurso ridículo de que Lula e Bolsonaro são extremos impróprios para o Brasil; que a solução, visando 2022, seria um candidato à Presidência com o perfil de centro.

A direita já acionou as suas vozes alugadas para disseminar a falsa ideia de que Bolsonaro e Lula são faces de uma mesma moeda, e que é preciso um tertius para nos livrar do abismo em que a própria direita meteu o Brasil a partir do golpe parlamentar contra a então presidente Dilma.

É bom lembrar que toda vez em que o Brasil vive uma crise política, um aventureiro qualquer termina se dando bem e empurrando o País para o abismo cada vez maior.
Vide Jânio Quadros, Fernando Collor e o atual Jair Messias Bolsonaro, um mau soldado (segundo companheiros de farda) sem história digna de registro, mas que chegou à Presidência graças à direitona e seus discursos…

Por Wellington Farias

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp