Pix está disponível para pagamentos e transferências

Conteúdo patrocinado. Novo sistema de pagamentos e transferências lançado em outubro pelo Banco Central, o Pix começou a funcionar nesta semana em todo o Brasil. Em sua estreia, mais de 30 milhões de pessoas estavam cadastradas e mais de 71 milhões de chaves já tinham sido criadas. Para se ter uma ideia, em sua fase restrita, de 3 a 12 de novembro, o sistema registrou 826 mil transações, que chegaram ao valor de R$ 325 milhões, segundo a Federação de Brasileira de Bancos (Febraban) com base em dados do BC.

O Pix possibilita a qualquer pessoa a realização dessas operações em todos os dias do ano, sem limite de horário e em poucos segundos, por todo banco que ofereça o serviço em seus aplicativos.

Essa é mais uma das mudanças sobre instituições financeiras, como o surgimento dos bancos digitais há poucos anos, segundo o Prof. Me. Marcelo Paulo de Arruda, do curso de Ciências Contábeis do Unipê. Ele acredita que a novidade possibilitará mais avanços tecnológicos relacionados às transações financeiras ao que estamos acostumados das transações financeiras.

É gratuito?

Diferente do TED ou DOC, que podem chegar a R$ 20 por transação e possuem um tempo para a sua conclusão, as transferências via Pix serão gratuitas a depender do caso, trazendo economia financeira, considera Marcelo, além da agilidade. Hoje, por exemplo, não é possível receber no mesmo dia um TED realizado em feriados e fins de semana.

Afora isso, o Pix pode ser usado para substituir o cartão de débito. “O Pix é gratuito para as pessoas físicas, porém caso o usuário queira algum serviço físico, poderá ser efetuada a cobrança. Em relação a pessoas jurídicas, pode haver cobrança de acordo com o interesse da instituição financeira. Os bancos estão aderindo pois tem a obrigação de seguir os avanços tecnológicos, mesmo que acarrete em redução de receitas – mas vale salientar que reduzirá também os custos operacionais dos mesmos”, diz.

Para aderir ao sistema, é preciso criar uma chave diretamente no aplicativo da instituição financeira de sua preferência. “A chave não é obrigatória, mas recomenda-se para ter uma melhor experiência com o Pix”, indica o professor. Agora, as pessoas farão um “pix”, como serão chamadas essas transações pelo novo sistema. Para isso, bastará informar a conta e agência, a chave Pix ou ler o QR Code do recebedor.

Segurança

Embora possua transações criptografadas, o Pix sofreu ataques cibernéticos antes do lançamento. “Os cuidados em relação a utilização são os mesmos que as pessoas estão acostumadas na utilização de Internet Banking ou aplicativos bancários”, finaliza Marcelo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp