Tárcio Teixeira diz que Grito dos Excluídos vai protestar contra altos preços da gasolina, gás e alimentos e contra ameaças à democracia

Em debate com o deputado estadual Wallber Virgolino, o presidente do PSOL na Paraíba, Tárcio Teixeira, disse que o Grito dos Excluídos vai protestar contra os altos preços da gasolina, gás e alimentos e contra ameaças à democracia, além de defender suas pautas já tradicionais na luta contra o racismo, LGBTfobia, contra a desigualdade social e outros temas relacionados aos classificados como excluídos na sociedade.

“É um ato de pedir de volta o nosso país. O alto preço do gás de cozinha, da nossa feira, do combustível. Os impactos desse ‘desgoverno’ e das pessoas que o acompanham”, declarou o presidente do PSOL-PB, conforme apurou o ClickPB.

Questionado por Wallber Virgolino se o Grito dos Excluídos foi marcado para o dia 7 de setembro como uma forma de intimidar a direita, Tárcio Teixeira negou. “De forma alguma. Quem está construindo esse ato, se a questão for tempo, somos nós. São 27 anos construindo o movimento nessa data. É o presidente Bolsonaro quem incentiva essa briga. Nós não. Não é um ato da esquerda, é um ato do povo brasileiro. E o que a população tem visto são esses ataques (do presidente).”

Ainda segundo Tárcio, o Grito dos Excluídos, este ano, também vai lutar por outras pautas da pandemia. “Acelerar a vacinação, auxílio emergencial precisa ser mantido. A gente também tem exigido contra a entrega do nosso patrimônio público, contra a reforma administrativa”, citou ele sobre as privatizações de estatais e pelo pagamento do auxílio emergencial a mais pessoas, com maior valor e por mais tempo para dar suporte aos trabalhadores.

Os manifestantes contrários a Bolsonaro e envolvidos nas pautas do Grito dos Excluídos se concentrarão às 9h, na Praça das Muriçocas, com caminhada e carreata que vai até o Busto de Tamandaré, na praia de Tambaú.

 

clickpb

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp