TRAGÉDIA NA FAMÍLIA: Em 10 dias, mecânico perde filho, esposa e sogra para a covid-19

O mecânico Antônio Marcelo da Silva, de 45 anos, morador do Gama, cidade satélite de Brasília, ainda tenta lidar com a dor de perder o filho, a esposa e a sogra em um intervalo de 10 dias. Os três morreram em decorrência da covid-19javascript:””

“Eu nem sei dizer como estou me sentindo. Estou sem reação nenhuma. Solitário. Agora só o tempo mesmo para curar isso”, declara ele.

O filho de Antônio, Stênio da Silva, de 26 anos, foi o primeiro a sentir os sintomas da covid-19 na família. Ele precisou ser internado em 11 de março e, com o agravamento da doença, foi intubado.

Depois, a mulher de Antônio, Simone Maria da Silva, de 46 anos, também começou a apresentar sintomas da covid-19 e foi internada no mesmo hospital. A próxima foi a sogra de Antônio, Raimunda, de 71 anos, que também se contaminou e precisou de internação.

Simone foi a primeira a morrer, no dia 18 de março. Uma semana depois, Raimunda também não resistiu. E no domingo (28) foi Stênio que faleceu.

“Desde o dia 11 a gente não teve mais paz. Era só notícia ruim. Minha mulher viu tudo. Meu filho sendo transferido de hospital e intubado. Ela ficou muito mexida”, lembra Marcelo.

Antônio era casado com Simone há 30 anos e eles tinham mais dois filhos juntos, um de 4 e outro de 12 anos.

“Meu filho de 4 anos nem sabe ainda que eles morreram. Para ele, a mãe está no hospital cuidando do irmão. A gente já tentou entrar no assunto, mas ele não quer ouvir”, conta Marcelo.

Mortes por covid do Distrito Federal

Ontem, a Secretaria de Saúde do Distrito Federal confirmou mais 94 mortes por covid-19. Foi o maior número de óbitos notificados em 24 horas na capital desde o começo da pandemia.

O total de vítimas chega a 5.912, e os infectados somam 343.111, sendo que 1.353 foram confirmados ontem.

Uol

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp