Variante do coronavírus semelhante à sul-africana é identificada no Brasil

Uma nova variante do coronavírus foi identificada em Sorocaba (SP), na manhã desta quarta-feira (31). Segundo o diretor do Centro de Contingência do Coronavírus, Paulo Menezes, a variante seria a sul-africana, que ainda não havia aparecido no Brasil.
As variantes do Reino Unido, de Minas Gerais e de Manaus (AM) já tinham sido confirmadas na cidade.
Esta variante foi detectada em uma mulher de 34 anos, que apresentou sintomas leves, com evolução clínica favorável. Segundo Menezes, a paciente não relatou nenhum histórico de viagens recentes dentro ou fora do Brasil.
Conforme o presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, a variante é parecida com a da África do Sul, mas, como a paciente não tem histórico de viagem, não está descartada a hipótese de que seja uma nova variante, ou seja, uma evolução das que já existem.

“Foi submetido o trabalho já descrevendo essa variante. É uma variante assemelhada à variante da África do Sul, embora não haja histórico de viagem ou de contato com viajantes da África do Sul. Então, portanto, existe a possibilidade de que seja uma evolução da nossa P1 em direção a essa nova mutação da África do Sul”, explicou.
Ainda não há informações sobre se essa variante é mais contagiosa do que as outras já confirmadas. O fato de ter sido identificada em um hospital de Sorocaba não significa que a pessoa seja da cidade.
A prefeitura informou que a Vigilância Epidemiológica não foi notificada pelo estado e que está pedindo um posicionamento. No entanto, a TV TEM apurou que o Executivo recebeu, sim, a notificação sobre o assunto e aguarda mais detalhes.

Cinco variantes em circulação

Na semana passada, a Secretaria da Saúde de Sorocaba havia identificado cinco variantes do vírus em circulação na cidade. Seis casos foram confirmados no município, dos quais quatro pessoas morreram.
São vírus que sofreram mutação e vieram do Reino Unido (dois casos), Minas Gerais (um caso) e Manaus, no Amazonas (um caso). Além dessas, havia outras duas variantes, responsáveis por mais dois casos, cujos nomes ainda não haviam sido informados.
Um dos infectados era morador de Juquiá (SP) e morreu em fevereiro após contrair a variante de Manaus, chamada de P.1. Três contaminados vieram a óbito neste mês de março. Os outros dois infectados com variantes contraíram o vírus no Reino Unido no ano passado.
Na ocasião, o prefeito Rodrigo Manga (Republicanos) informou que as novas variantes eram 90% mais contagiosas do que o coronavírus que estava circulando em Sorocaba no início da pandemia.
O secretário de Saúde de Sorocaba, Vinícius Rodrigues, explicou que os casos só são sequenciados quando a pessoa teve contato com alguém que testou positivo para alguma variante ou quando voltou de viagens para locais de risco.
Desta forma, os seis casos identificados pelo Grupo de Vigilância Epidemiológica no dia 23 de março eram aleatórios e o número de contaminados com variantes na cidade pode ser muito maior.

Fonte: POLÊMICA PARAÍBA

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp